Colágeno, a busca eterna!
Colágeno, a busca eterna!

Como ajudar o nosso corpo na produção desta importante proteína que pode nos dar uma
aparência mais jovem e saudável e reduzir os sinais do envelhecimento

 

A luta contra a balança, o efeito sanfona e o inevitável envelhecimento cronológico causam muitos efeitos colaterais indesejáveis, o pior deles é a flacidez. Poucos sabem, mas na maioria dos casos as celulites e as gorduras localizadas acabam
evidenciadas, não somente pelo excesso de peso, mas também, pela falta de rigidez do tecido da pele.

O envelhecimento é um dos causadores da redução do colágeno no corpo humano. Depois, dos 25 anos, a produção dessa substância vai diminuindo ano a ano, com isso, começam a surgir as primeiras rugas e sulcos faciais.

Após os 35, a pele do corpo também começa a aparentar os sinais desse processo inerente de envelhecimento. “A perda da massa muscular e o aumento da flacidez acabam se agravando com o passar do tempo”, explica Juliana Salustiano, médica da clínica Longevittá.

No corpo, os sinais são: flacidez, aumento da celulite e de gordura localizada em regiões como o abdômen – principalmente para os homens, nádegas e culotes nas mulheres. Outra região muito prejudicada são os braços. A luta para retardar o envelhecimento da pele precisa ser multidisciplinar. A reeducação alimentar é um passo fundamental, pois a ingestão de alimentos com poucas fontes de proteína, impacta diretamente na perda do colágeno.

“Atletas que costumam fazer dietas muito restritivas ou pessoas que passam por processos de catabolismo intenso, também possuem uma necessidade maior de fontes de colágeno, pois ao submeter-se a treinos intensos, ao invés de ganhar músculos, acabam perdendo colágeno”, explica.

Para quem segue uma dieta balanceada e pratica atividade física regularmente, existem alguns estímulos para produção do colágeno na pele, como explica a Fisioterapeuta Dermatofuncional Eloíza Zimmer da Clínica Longevittá: “A vacuoterapia e a endermoterapia são importantes aliados que podem ajudar no avanço rápido dos resultados no retorno do estímulo do colágeno. Existem equipamentos, como o VelaShape, que trabalham com o infravermelho e a rádio frequência, que são muito importantes para esse estímulo. É o aquecimento da radiofrequência que surte efeitos juntamente com o estímulo do infravermelho.”, afirma.

O VelaShape foi o primeiro equipamento aprovado pelo FDA (agência federal do Departamento de Saúde e Serviços Humanos) dos EUA, para tratamento da celulite e redução de circunferência. Atualmente, também é aprovado pela ANVISA (Brasil). Esses tratamentos localizados nos permitem ir além da questão da flacidez e do colágeno. O infravermelho, por exemplo, é uma potente luz anti-inflamatória, o que também ajuda no combate às celulites – um dos problemas estéticos que mais incomodam as mulheres.

“A radiofrequência também trabalha a queima de gordura, o que é um apoio para quem deseja uma cintura mais fina e mesmo sendo magra não consegue esse resultado, ou para aquela gordurinha insistente nas costas…”, diz Eloíza.

A vacuoterapia também tem um sistema de rotação que produz uma drenagem da pele, e o mais surpreendente é que desde as primeiras sessões é possível perceber os resultados. “É claro que o resultado depende do metabolismo de cada pessoa, aliada a alimentação balanceada e prática de atividade física adequada, pois isso tudo complementa-se. Em alguns casos em três sessões a pessoa já obtém resultados satisfatórios”, afirma Eloíza.

É importante salientar, diz a fisioterapeuta, que na luta pelo estímulo do colágeno a pessoa sempre busque uma orientação adequada. “Muitas pessoas procuram o tratamento da moda, que até pode ser algo eficiente para redução de medidas, mas que no caso do colágeno que é algo específico, muitas vezes, não beneficia em nada, ou pode até agravar se não houver orientação adequada, e é claro, individualizada”.

De acordo com a médica Juliana Lobato Salustiano, “o colágeno é uma proteína responsável por dar estrutura, firmeza e elasticidade ao corpo e quando está presente em níveis normais no organismo, resulta em uma pele mais jovem e saudável”.

Diversos fatores, além do colágeno, como hidratação, alimentação, exercícios físicos e idade influenciam na tonicidade da pele, mas este, é fundamental. Conclui explicando que a mudança no estilo de vida e na alimentação são fundamentais
para a manutenção dos resultados. “Buscar alimentos que venham da natureza e abandonar hábitos alimentares nocivos, com muitos aditivos industrializados também são fundamentais não só para as questões estéticas, mas para a saúde. Não adianta apenas tomar suplementos sem pensar no corpo como um todo”.

Por dra. Juliana Lobato Salustiano, médica ortomolecular e da saúde em família e  Eloíza Zimmer, fisioterapeuta dermatofuncional.

 

Entre em contato conosco

Clínica Longevittá